Cuiabá, 21 de Novembro de 2017

Economia

Cuiabá é a capital brasileira com maior queda no valor da cesta básica, diz pesquisa

Por: Aline Brito
Fonte: Da redação

Foto de Reprodução internet

Um levantamento realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e divulgado nesta quarta-feira (04), apontou Cuiabá como a capital com a maior queda no valor da cesta básica do Brasil.

Conforme os dados, de janeiro a setembro a capital mato-grossense reduziu em 13,91% o valor da cesta, custando R$ 366,64, e passou a ocupar a décima colocação do ranking das cesta mais caras do país.

A pesquisa foi feita em 21 capitais brasileiras, mas apenas Campo Grande (MS) registrou alta de 1,17%.  A cesta básica mais cara é a de Porto Alegre (RS) com um valor de R$ 436,68  seguida por São Paulo (SP) no de R$ 421,02.

A mais barata é a de Salvador (BA) que tem o valor de R$ 318,52; logo em sequência vem Natal (RN) R$ 323,90.

Salário mínimo

A pesquisa revelou ainda que em setembro deste ano, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 3.668,55, ou 3,92 vezes o mínimo de R$ 937,00.

Em 2016, o piso mínimo necessário correspondeu a R$ 3.744,83, ou 4,00 vezes o mínimo vigente. Em setembro de 2016, o salário mínimo necessário foi de R$ 4.013,08 ou 4,56 vezes o piso em vigor, que equivalia a R$ 880.

Preços

No que se refere a preço, a batata apresentou diminuição de preço em nove das onze cidades onde foi realizada a pesquisa.

Em Florianópolis, não houve elevação de preço e em Campo Grande, o valor médio aumentou 2,26%. As quedas mais expressivas ocorreram em Belo Horizonte (-20,51%) e Porto Alegre (-12,40%). Em 12 meses, todas as cidades acumularam taxas negativas, que variaram entre -51,72%, em Cuiabá, e -22,75%, em Goiânia. Oferta elevada de batata, ainda da safra de inverno, diminuiu os preços no varejo.

O preço do tomate diminuiu em 20 cidades e os percentuais oscilaram entre -31,42%, em Brasília, e -4,00%, em Manaus. A alta foi observada em Campo Grande (10,38%). Em 12 meses, houve redução em 18 cidades. Destacam-se as quedas ocorridas em Brasília (-37,92%), Cuiabá (-36,11%) e Natal (-36,07%). A oferta elevada do fruto reduziu o preço no varejo