Cuiabá, 18 de Agosto de 2017

Política

MPE emite parecer favorável pela cassação de Lucimar Campos e vice

Por: Aline Brito
Fonte: Da redação

Foto de Reprodução

O Ministério Público Eleitoral (MPE) de Várzea Grande emitiu parecer favorável pela cassação do mandato da prefeita Lucimar Campos (DEM), do vice-prefeito José Hazama (PRTB), e do presidente da Câmara Municipal, vereador Benedito Francisco Curvo, o Chico Curvo (PSD), por compra de votos nas eleições de 2016.

A decisão foi proferida na última terça-feira (08), pelo promotor Luciano Freiria de Oliveira.

Segundo Luciano, os acusados teriam afirmado aos moradores de Várzea Grande que resolveriam o problema da falta de água, mas em troca "precisava que os eleitores votassem em  Lucimar e Chico Curvo para continuar com o fornecimento ideal de água", diz trecho da decisão.

“Como visto excelência, esse era o contexto perfeito para a captação ilícito de votos, pois o povo pedia água e então Paulo e Eduardo (funcionários do DAE) foram ao local e então Eduardo, investido do poder de diretor do DAE, prometeu a solução do problema, com a instalação de um poço artesiano e distribuição de caminhões pipas", diz trecho dos autos.

Eduardo Vizzoto é ex-presidente do Departamento de Água e Esgoto de Várzea Grande e também responde na ação por ajudar a então candidata Lucimar "comprar votos" por meio de troca.

De acordo com o parecer, Chico Curvo teria ajudado o ex-diretor do DAE a convencer os eleitores que ao votarem nos candidatos indicados por eles, iriam regularizar a falta de água na cidade.

"Nota-se inclusive, que ajudado por Chico Curvo, Eduardo seduziu ainda mais os eleitores ao dizer (no vídeo juntando com a inicial) que o poço seria furado de imediato e que o restante do tempo de governo de Lucimar era pouco para sanar o problema da água e em razão disso precisava que os eleitores votassem em Lucimar e Chico Curvo para continuar com o fornecimento ideal de água", diz trecho extraído dos autos.

Conforme o promotor, ficou “devidamente comprovado que houve captação ilícita de votos”.

O parecer do promotor será enviado ao juiz da 20ª Zona eleitoral, Carlos José Rondon Luz, para apreciação. Após analisar o parecer, como também os argumentos de defesa de Lucimar, Hazama e Chico Curvo, o magistrado deve proferir a sentença sobre a suposta compra de votos.

Outro lado

Por meio de nota, a prefeita Lucimar Campos informou que no processo não existem "provas que houve compra de votos ou de qualquer outra atitude que ofenda a Legislação Eleitoral".
A nota fala ainda que Lucimar e seu vice, Hazama foram eleitos de forma legítima, por livre escolha da população.

Confira a nota na íntegra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Assessoria Jurídica da prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos, e do vice-prefeito, José Aderson Hazama, a respeito da informação da existência do parecer do Ministério Público Eleitoral, proferido em processo eleitoral manejado em desfavor dos mesmos, vem a público informar:

1. Não existe no processo nenhuma prova de que houve compra de votos, benefícios de qualquer natureza em troca de votos ou qualquer outra atitude que ofenda a Legislação Eleitoral;

3. Reafirmamos que a campanha vitoriosa da prefeita e do vice-prefeito, foi transparente, legítima, legal e verdadeira, sendo que as contas da referida campanha eleitoral foram aprovadas sem ressalvas;

4. A Prefeita Lucimar e o Vice Hazama foram eleitos com quase 80% dos votos válidos, fato que comprova que a população de Várzea Grande escolheu de forma clara quais são as pessoas legitimadas para dirigir o futuro da cidade nos próximos 4 (quatro) anos;

5. A Prefeita Lucimar e o Vice Hazama continuarão trabalhando fortemente em prol da população até e quando Deus assim permitir!

Ronimárcio Naves Advogado